Por que ir ao ginecologista é importante? 

A visita ao ginecologista pode ser motivo de preocupação para muitas mulheres, que podem sentir vergonha ou até medo da consulta ginecológica. A dúvida sobre quando e por que ir, além do que falar com o médico, são só algumas das muitas questões que rodeiam o imaginário feminino.

Quando ir ao ginecologista?

Quando se trata da primeira consulta, o ideal é que a jovem procure um ginecologista após a primeira menstruação e, também, antes de iniciar a sua vida sexual.

Caso você já tenha passado pela primeira consulta, a ida ao ginecologista deve acontecer sempre que você sentir necessidade, houver alguma alteração no seu ciclo menstrual, sangramentos irregulares, corrimentos ou odores diferentes e qualquer outra anormalidade.

Atenção: é importante consultar regularmente seu ginecologista, pelo menos uma vez ao ano, mesmo sem qualquer anormalidade.

Porque é importante ir ao ginecologista? 

  • Orientações

É durante a conversa aberta e sincera com o ginecologista que tiramos todas nossas dúvidas e que recebermos diversas orientações, seja sobre:

  • os cuidados específicos da higiene íntima,

  • ciclo menstrual e suas alterações,

  • prevenção de DST e câncer de colo de útero¹,

  • autoexame do câncer de mama.
     

  • Diagnóstico e tratamento de doenças

Muitas doenças são assintomáticas (não existe nenhum sintoma visível que indique sua presença). É o que acontece com algumas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) - como o vírus HIV e HPV. Quando não tratadas podem causar danos irreparáveis na saúde da mulher, esterilidade e diversas complicações na gravidez³.

Por isso, é fundamental ir a um ginecologista regularmente. Só ele, através do Papanicolau e outros exames específicos², será capaz de diagnosticar a existência de doenças.

Além disso, muitas doenças possuem sintomas que são facilmente despercebidos ou confundidos. É o caso da endometriose e dos pólipos endometriais, dois distúrbios que podem acabar sendo confundidos com o período menstrual, e que provocam, respectivamente, fortes cólicas menstruais⁴ e sangramentos uterinos anormais⁵.

A endometriose é a presença do endométrio em locais fora do útero, como ovários, peritônio ou ligamentos útero-sacros. Além das cólicas intensas, causa dor durante o ato sexual, dor pélvica sem relação com a menstruação, infertilidade e alterações urinárias (como dificuldade, dor e sangramentos ao urinar)⁴.

Já os pólipos endometriais são lesões benignas que podem causar infertilidade⁵. Costumam causar sangramentos uterinos anormais na maior parte dos casos, mas nem todas as pacientes apresentam sintomas⁵.

  • Exames periódicos e prevenção

Ainda relacionado a patologias, a consulta ginecológica permite a realização de exames periódicos importantes e orientação sobre prevenção.

A visita ao ginecologista pode ser motivo de preocupação para muitas mulheres, que podem sentir vergonha ou até medo da consulta ginecológica.

Referências:

  1. Santos MCL, Fernandes AFC, Cavalacanti PP. Consulta ginecológica - motivações e conhecimento da mulher sobre a prevenção do câncer de colo de útero. Rev RENE Fortaleza. Jan/Jun 2004;5(1):22-26.

  2. Barbeiro FMS, Cortez EA, Oliveira PAMC, Silva ALO. Conhecimentos e práticas das mulheres acerca do exame papanicolau e prevenção do câncer. Rev. de Pesq.: cuidado é fundamental. Set/dez 2009;1(2):414-422

  3. Coccaro LC, Moretti E. Doenças Sexualmente Transmissíveis e Usuárias do Serviço de Ginecologia do Centro de Saúde de Passo Fundo. Rev Médica HSVP. 2003; 15(32): 25-28.

  4. Podgaec S, Abrão MS. Endometriose: aspectos atuais do diagnóstico e tratamento. RBM. Jan/Fev 2004;61(4).

  5. Nogueira AA. Pólipos endometriais. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27(5): 289-92.