A enxaqueca é uma das grandes queixas das mulheres durante o período menstrual, especialmente nos dias que antecedem o fluxo¹'². Quem sofre com enxaqueca pré-menstrual sabe como ela pode ser incômoda e atrapalhar muito o nosso desempenho nas atividades do dia a dia¹. Por isso é tão importante estar atenta e saber como lidar com a essa dor quando ela aparece!

Quer saber mais sobre a enxaqueca pré-menstrual e entender como é possível aliviar essa dor? Então veja as dicas que separamos para você!

Você também pode gostar de: Como aliviar dores menstruais

O que é enxaqueca pré-menstrual

Enxaqueca pré-menstrual é o nome que se dá para um tipo de dor de cabeça intensa e de longa duração, muitas vezes até incapacitante, que afeta pessoas de todos os sexos, mas predominantemente as mulheres jovens¹'³.

Em geral, para ser chamada de enxaqueca, a dor de cabeça deve atacar mais de cinco vezes e durar entre 4 a 72 horas. E também deve apresentar pelo menos duas das seguintes características¹:

  • localização unilateral;
  • dor pulsante;
  • intensidade moderada a forte;
  • ser agravada pela prática de atividades.

Além disso, as enxaquecas também podem estar acompanhadas de outros sintomas, como¹:

  • náuseas;
  • vômito;
  • fotofobia (piora da dor com luzes);
  • sonofobia (piora da dor com sons).

A enxaqueca pré-menstrual, como o nome já indica, costuma ocorrer nos dois dias que antecedem o fluxo menstrual² – período em que há grandes alterações nos níveis hormonais das mulheres; especialmente um hormônio chamado estrogênio, que se encontra em baixa dose antes da menstruação¹'².

Muitas vezes a dor pode permanecer por até três dias após a chegada do fluxo, quando os níveis hormonais, enfim, normalizam².

Saiba mais em: Enxaqueca menstrual: sintomas e como tratar!

Como lidar com a enxaqueca pré-menstrual

O tratamento para as dores causadas pela enxaqueca pré-menstrual costuma variar muito de mulher para mulher, levando em consideração aspectos como regularidade do ciclo e intensidade da dor².

Por isso, uma boa forma de lidar com a enxaqueca pré-menstrual é manter um diário das suas crises de dor. Nele, você pode anotar quando elas ocorrem (e qual a relação com o seu ciclo menstrual); além de outras informações importantes, como intensidade e duração².

Com essas informações em mãos, o mais indicado é procurar um especialista, que irá avaliar os dados que você anotou e receitar o melhor tratamento para o seu caso – que pode ser desde o uso de medicamentos para o alívio da dor até anticoncepcionais e suplementações hormonais¹'².

Agora que você já sabe melhor o que é a enxaqueca pré-menstrual e como lidar com ela, que tal aprender um pouco mais sobre o universo da menstruação e as dores que a acompanham? Tanto na seção de dicas do site de Buscofem quanto no nosso app Sai Cólica você encontra tudo o que precisa para tirar a menstruação de letra! ;)

NÃO USE ESTE MEDICAMENTO EM CASO DE ÚLCERA, GASTRITE, DOENÇA DOS RINS OU SE VOCÊ JÁ TEVE REAÇÃO ALÉRGICA A ANTI-INFLAMATÓRIOS. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Buscofem é indicado para o alívio das cólicas e outras dores menstruais. LIQUI-GELS® é marca registrada da Catalent Brasil LTDA*. Contraindicações: alergia ou intolerância aos componentes da fórmula, asma, pólipo nasal, inchaço ou urticária provocada por medicamentos, úlcera gastrintestinal, doenças graves do coração, fígado ou rins, desidratação, últimos 3 meses de gravidez e em gestantes sem orientação médica e crianças menores de 12 anos. MS - 1.0367.0159 - SAC 0800 701 66 33.

Referências:

1 - Pahim, LS; Menezes, AMB; Lima, R. Prevalência e fatores associados à enxaqueca na população adulta de Pelotas, RS. Rev Saúde Pública. 2006 [Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n4/20.pdf]

2 - American Headache Society. Enxaqueca (Migrânea) Menstrual. Headache: The Journal of Head and Face Pain. 2014 [Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/head.12281/pdf]

3 - Ribeiro, RL; Carvalho, DS. Cefaléia Associada aos Ciclos Hormonais da Mulher. Rev. Neurociências. 2008 [Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2000/RN%2008%2003/Pages%20from%20RN%2008%2003-3.pdf]