Dor no útero durante a menstruação: o que pode ser?

As dores na região do útero, principalmente as cólicas menstruais, são transtornos que atingem mulheres de todas as idades e podem interferir nas rotinas social e produtiva¹. Elas podem ser variadas, com diferentes intensidades e causas por trás da dor. Entenda!

Os dois tipos de dores que afetam o útero

As dores uterinas mais comuns, e que afetam cerca de 60% a 80% das mulheres em alguma fase da vida, são as relacionadas ao ciclo menstrual e que se manifestam na forma de cólicas, como a dismenorreia primária e a secundária¹.

Ambas as dores são caracterizadas por contrações da musculatura do útero, causadas pelo aumento da produção e concentração de uma substância chamada prostaglandina e que ajudam a liberar o endométrio durante o período menstrual. A diferença é que, enquanto a dismenorreia primária não possui uma causa clínica identificada, a secundária geralmente está relacionada a alguma doença pélvica¹,².

Veja as principais diferenças entre dismenorreia primária e secundária!

Doenças que podem causar dor no útero

Quando são do tipo primário, as dores no útero chegam e vão embora com o fluxo menstrual. O sinal de alerta é quando as dores são muito severas, iniciam tardiamente –até dois anos após a primeira menstruação – e pioram com o passar do tempo. Nesse caso, elas podem estar relacionadas a alguma doença pélvica¹,².

Algumas das causas mais comuns de dor no útero são:

● endometriose¹,²,³;
● cistos²;
● miomas²,³;
● pólipos²;
● varizes pélvicas¹;
● doença inflamatória pélvica¹,²,³.

Fique atenta aos sintomas!

Cólicas intensas: se as dores no útero persistirem por mais de dois dias e se começarem muito antes do fluxo menstrual, pode ser um sinal de dismenorreia secundária¹. Neste caso, elas também podem irradiar para a região lombar e para as coxas.

Náusea, vômito e diarreia: sintomas gastrointestinais podem ser comuns durante a menstruação e geralmente são causados pelas dores intensas¹.

Dor durante relação sexual: a dispareunia, dor durante o sexo, é um dos principais sintomas associados a doenças na região do útero³ e, portanto, deve ser investigada.

Febre: quadros de febre associados a dores pélvicas e/ou mais sintomas, podem ser um sinal de doença inflamatória pélvica e de miomas³.

Como aliviar a dor no útero

Quando a cólica uterina é causada apenas pelo ciclo menstrual, o uso de anti-inflamatórios nãohormonais, que atuam na inibição da produção de prostaglandinas, pode ter um efeito rápido e eficaz sobre os sintomas de dor¹.

O alívio das dores, no caso de dismenorreia secundária, depende do tratamento do que está originando os sintomas – e, por isso, é necessário buscar auxílio médico para um diagnóstico preciso e a indicação do tratamento correto. É fundamental ir ao ginecologista! ;)

As dores uterinas mais comuns, e que afetam cerca de 60% a 80% das mulheres em alguma fase da vida, são as relacionadas ao ciclo menstrual e que se manifestam na forma de cólicas

Referências:

1. Leite MCA, Leite CA, Machado RFF, et al. Dismenorreia: uma visão atual [Internet]. 11º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem (CBCENF). Belém do Pará. 2008. [Acesso em: 25 de outubro de 2016]. Disponível em: http://189.59.9.179/cbcenf/sistemainscricoes/arquivosTrabalhos/I2714.E1.T661.D1.doc

2. Borges PCG, Ramos JFD, Depes DB, et al. Dismenorréia e endométrio. FEMINA. 2007;35(12): 789-795.

3. Bernardes J. Dor pélvica e dismenorreia [Internet]. Manual de Ginecologia da Federação das Sociedades Portuguesas de Obstetrícia e Ginecologia. 2009. [Acesso em 21 de setembro de 2016]    Disponível em: http://www.fspog.com/fotos/editor2/cap_10.pdf